'CONTRUÇÃO DE INSTRUMENTOS DE PERCUSSÃO COM MATERIAIS ALTERNATIVOS E SUA APLICAÇÃO PEDAGÓGICA'

quarta-feira, 29 de Abril de 2009

"Fui percebendo ao longo dos anos a necessidade de um aprofundamento teórico em meus conhecimentos musicais, de poder analisar os aspectos formais da linguagem, sobretudo da semântica. Isto posto uma vez que pude dialogar com um educador sobre o processo de composição das “QUATRO ESTAÇÕES” de Vivaldi. Que maravilha! Quando ia percebendo nas composições mais simples quão grandioso era o leque de interpretação das mesmas, de músicas como “PULSAR” de Caetano Veloso e como não dar aula de FRAÇÕES EM MATEMÁTICA podendo ouvir a flor da pele os intervalos das batidas do coração, como na ESCALA DE PITÁGORAS, instrumento ímpar para o processo de aprendizagem da quarta operação.
Por que as escalas musicais são como as conhecemos?
Na tentativa de responder questões como esta, na expectativa de um diálogo mais atraente e inclusivo na escola, quero tentar buscar e sistematizar momentos importantes que revelam a relação de intimidade entre matemática e música, por exemplo, ou entre a prática docente e a música.
Mais recentemente, sabendo da teoria de Inteligências Múltiplas , de Habilidades e Competências , onde já temos uma vasta literatura, tive que buscar essa ponta de esperança de aprendizagem daqueles alunos alheios a matemática somente nos quadros e giz. Aquelas cabecinhas pensantes tinham caminhos múltiplos, bastava um toque “mágico” em uma de suas portas, a porta da música, que nunca estivera adormecida, escancarada a todo o tempo, na cara do professor. Que falta de sensibilidade! Porque não contextualizar a matemática em sala de aula? A música é um caminho perfeito.
Outro fator que vai justificando esta minha escolha foi um excelente trabalho desenvolvido por uma de minhas professoras no meu curso de Pós-graduação, Eliane Gazire . Neste Curso de Educação Matemática tive o privilégio de conhecer sobre um pouco da cultura indígena e africana no mundo. Somei a este curso, outro oferecido pela FACULDADE DE MÚSICA DA UFMG - “Construção de Instrumentos de Percussão com Materiais Alternativos e sua Aplicação Pedagógica”. Fiz um excelente trabalho em uma das Escolas que leciono, ensinando matemática e fabricando instrumentos ao mesmo tempo como, afoxés, maracás, maracas, ganzás, maculelê, pau-de-chuva, flautas-pam, tambores dos mais variados tipos, etc. Isto para mim, de uma certa forma foi positivo, porque quando foi procurar saber das disciplinas que seriam ministradas neste Curso de Mestrado, percebi a relação do trabalho com ETNOMUSICOLOGIA, SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO MUSICAL, ESTUDOS SOBRE AS PRÁTICAS MUSICAIS E SOCIEDADES etc.
Conheci o vasto mundo da prática musical de VERGÍLIO LIMA, um exímio luthier com quem fizera um curso de Fabricação de Instrumentos de Corda. No decorrer do curso foi sabendo dos passos sonoros dos outros integrantes podendo aprender cada vez mais. Um aprendizado importante, mas que, revitalizar-se-ia num contexto do conhecimento formal rebuscado através da pesquisa.
Há de se justificar esta escolha também, pela busca ao conhecimento do outro, do ser humano, através de sua musicalidade. A importância de saber das influências musicais como prática pedagógica.
A presença do professor na escola não pode se limitar à transmissão de breves conteúdos às vezes distantes da realidade dos alunos que lá freqüentam em busca de algo maior que isso. Sinto que nosso corpo discente quer ser ouvido a todo o momento, no entanto, se faz o foco da atenção a qualquer custo.
Todo segmento das Escolas precisa entender um pouco mais sobre o estudo da música, conhecer mais da musicalidade em nossos alunos, para que não cometam erros que deixem seqüelas irreparáveis. Tenho que fomentar esta necessidade de pesquisa para mostrar aos educadores a importância do ensino de música nas Escolas, quero contribuir para isso. Não desejo me deparar com cenas freqüentes em minha vida de educador como a de professores e direção de escolas chamando alunos de indisciplinados pelo simples fato de levarem instrumentos musicais para escola.
Ao optar por essa linha de pesquisa, pensei na educação musical nas escolas como ato formalizado que integre realmente o currículo e essa ação é ímpar na contribuição para área da música. Novas oportunidades se abrirão para que os jovens e adolescentes tenham uma visão ampla de suas possibilidades de crescimento pessoal e investimento por essa arte num contexto mundial e não num território restrito.
Um outro fato que justifica minha escolha é que quando iniciamos qualquer trabalho de pesquisa nas favelas, bairros, regiões das escolas, zonas rurais, logo temos claro um problema. Nos trabalhos de campo, por exemplo, a comunidade é envolvida e tem contatos por um bom período com os pesquisadores que publicam seus trabalhos e aqueles nem sequer sabem do que ocorreu no final das atividades. Estudar a prática musical de uma comunidade e dar retorno dessa pesquisa é de fundamental importância na melhora da auto-estima dessas pessoas, é torna-los protagonistas de suas histórias de vida.
Despertei-me no sentido de ter observado em muitas pessoas o uso da matemática e a música em sua vida diária, alguns, às vezes, nunca tinham freqüentado uma escola. Foi surpreendente perceber que esse conhecimento é muito mais profundo que eu imaginava. Ao criar o solo de uma música, numa simples rabeca, o caipira pode estar utilizando conceitos de frações e escala de Pitágoras. Fiquei boquiaberto quando vi um desses homens que já tinha uma boa trajetória em seu empirismo musical, separando as chaves que usava em seu trator, pelas polegadas, criando assim uma espécie de xilofone e executava algumas melodias ali na hora.
A etnomatemática já não é mais novidade, existem pesquisadores envolvidos neste tema como, Eduardo Sebastiani Ferreira . Trazer este conhecimento tendendo vincula-lo à pesquisa em referência, sobretudo na disciplina de etnomusicologia acredito ser uma forma de contextualização da matemática no dia a dia. Por exemplo, a escola está inserida numa região de luthiers. Podemos extrair daí problemas como, tipo de madeira a ser usado, tipo de cola, quantidades, dosagens, como construir uma escala, qual o tipo de construção mais adequado, espessuras, além de outros conhecimentos, é necessário usar matemática e música. O educador da escola, então, entra com a parte técnica, o conhecimento necessário na resolução dos problemas. As soluções encontradas serão revertidas em benefício dessa comunidade.
Pautarei meu estudo dando relevância ao resgate das tradições na escola de hoje sem perder de vista a diversidade cultural e os costumes locais, e como já mencionara em parágrafos anteriores; essas influências interferiram em minha atuação como educador e, simultaneamente, outras práticas musicais se consubstanciaram em minha formação.

Lázaro Mariano Alves
Professor de matemática e músico


Fonte: http://www.sitecurupira.com.br/ze/materia0.htm

0 comentários:

Scribd Feed for group:Piano Sheet Music of All Types

Scribd Feed for group:Homeschooling & Elementary Education

Scribd Feed for group:Educar Partilhando

  © Free Blogger Templates Columnus by Ourblogtemplates.com 2008 | Adaptação: Margarida Azevedo, 2009

Back to TOP